"AEIOU" DO CONSUMO DE LEITE NA INFÂNCIA

Se há palavra mágica lá em casa é leitinhoOs meus filhos começaram a beber leite de vaca, por indicação da pediatra, por volta dos 18 meses e são até hoje, com 30 meses e 5 anos, uns verdadeiros apaixonados por leite.

E neste enamoramento não há herança genética.
Nem eu nem o meu marido bebemos leite. Aliás, lembro-me de em miúda ser um verdadeiro sacrifício para mim dar dois golos que fossem numa caneca de leite. Só o bebia, a muito custo, quando o meu avô me persuadia a não dar ouvidos aos meus pais sob o argumentos como Acho que fazes muito bem, não bebas o leite. Assim ficas pequenina para sempre. E o avô adora que sejas pequenina!




Os tempos mudaram muito desde que eu era pequenina. Os benefícios do leite, esse alimento tão querido há umas gerações atrás, são hoje postos em causa. Há quem diga que continua a ser um alimento interessante, sobretudo para as crianças. Há também quem diga que a relação custo-benefício não justifica o seu consumo diário e que podemos encontrar o tão aclamado cálcio noutros alimentos.

Como jornalista que sou, decidi ouvir os argumentos de especialistas a favor e os argumentos contra o consumo diário de leite na infância. A decisão cabe a cada um de vocês (e já agora às preferências alimentares dos vossos filhos).

O LEITE DE VACA É OBRIGATÓRIO?
Não. A resposta é unânime por parte de todos os especialistas que consultei. Mas, se para a nutricionista Inés Pádua do projeto Alecrim, "apesar de não ser essencial ou obrigatório, não há motivo para a diabolização que [o leite] tem sofrido nos últimos tempos", já para Ana Moreira, médica, com formação em medicina integrativa, "o que é obrigatório é o bebé mamar da mãe porque somos mamíferos e, portanto, mamamos do leite da nossa mãe até ao ano e meio, dois anos".
Mais longe nesta avaliação vai Rui Rosa Dias, responsável pelo movimento Slow Food [e uma pessoa obrigatória de descobrir para quem quer ser mais consciente nas escolhas agrícolas e alimentares], que denuncia "as constantes tentativas da cadeia agroalimentar suportarem a sua comunicação assente em desinformação e no marketing enganoso" e que, nessa medida, é urgente alterar o panorama de packaging nos produtos alimentares.
Importa primeiro referir que, para além de quem não quer dar leite de vaca aos filhos por opção, existe também um número substancial de crianças e jovens intolerantes à lactose ou alérgicos à proteína do leite. No primeiro caso (dependendo do nível da intolerância), consumir leite sem lactose pode ser uma opção. No segundo caso, o consumo de leite e de derivados não é de todo recomendado pelo que aconselho a saberem mais aqui.

A PARTIR DE QUE IDADE DEVO INTRODUZIR O LEITE DE VACA?
De acordo com os especialistas não existem alimentos obrigatórios, pelo que atualmente não existe uma idade até ao qual o consumo diário de leite seja fundamental. Defende-se, no entanto, que o leite de vaca nunca deve ser introduzido antes dos 12 meses. Na opinião da nutricionista Inés Pádua essa introdução deve ser feita mais tarde, preferencialmente após os 24 a 36 meses de vida.
Ate lá o bebé deve ser amamentado ou consumir leites de fórmula adaptados à idade.

O LEITE É UM HERÓI?
Nim. Para a nutricionista Inés Pádua é um alimento interessante porque "para além do conteúdo em proteína, é também fonte de cálcio, não tem açúcares adicionados e também nos permite optar por versões com menos gordura". Depois, relembra a nutricionista, o facto de ser um alimento economicamente acessível o que "pesa e faz diferença no orçamento de muitas famílias com crianças em fase de crescimento".
Diferente reflexão tem Rui Rosa Dias que defende que "a qualidade, a origem, o modo de produção e a proximidade (entenda-se, canais curtos) deveriam ser atributos mais valorizados, muito mais que as quantidades (dose diária recomendada) e o preço", isto porque, para o especialista, apesar "do leite verdadeiro poder ser uma bebida aconselhável, por ser um alimento bastante completo" os tais processos de produção do leite não são os mais aconselháveis.

.... OU É UM VILÃO?
Apesar de alguns estudos sugerirem uma relação entre um consumo de leite [já lá vamos à questão das doses recomendadas] e a prevalência do cancro da próstata e do ovário existem, por outro lado, estudos que apontam para um efeito protetor do leite, em doses recomendadas, no que respeita ao cancro do colón, da mama e da bexiga.
É por isso que Rui Rosa Dias alerta que "é o suporte metodológico que nos garante a fiabilidade dos resultados" apesar do especialista entender que  "qualquer organismo sujeito a um stress alimentar, ao expor-se a consumos diários das tais doses recomendadas uma vida inteira (...), mais cedo ao mais, tarde acabará por demonstrar problemas e desenvolver doenças".
Para Ana Moreira a relação entre a prevalência do cancro e o consumo diário de leite é uma evidência científica recente, segundo artigos de 2011 a 2018, por este ser um alimento com capacidade"pró-inflamatório" que "está correlacionado com a prevalência de alguns tipos de cancro" devido a proliferação celular que pode levar à modificação de células com algum tipo de descontrole celular".
Visão bem diferente tem Inés Pádua que esclarece que, em ambos os estudos - do cancro da próstata e do cancro dos ovários - não se encontra "qualquer associação entre o consumo geral de leite ou os derivados". De acordo com a nutricionista "para o cancro da próstata, o artigo em questão, refere o contributo do cálcio para o desenvolvimento da doença, não mencionando o leite". Ja quanto o cancro dos ovários é referido o papel da galactose (açúcar resultante do processo de digestão da lactose) em danos nos ovários conducentes ao cancro" mas, explica, "numa dose de três porções diárias de leite, o que é superior ao recomendado".

EXISTEM DOSES RECOMENDADAS?
Sim, mas só para quem consome diariamente leite.  Inés Pádua defende que o recomendado para os volumes de leite e derivados (incluindo fórmulas) a partir dos 12 meses é de aproximadamente 400 ml/dia. Nas crianças que já tenham introduzido o leite de vaca, este valor traduz-se em dois copos de leite ou 1 iogurte e um pacote de leite por dia, por exemplo. Esta dose máxima não deve, no entender da nutricionista, ser excedida. 

QUAIS OS SUBSTITUTOS DO LEITE?
Não, substituir o leite de vaca por bebidas vegetais não é suficiente. A nutricionista Inés Pádua avisa que "algumas bebidas vegetais, apesar de serem enriquecidas, e por esse motivo, apresentarem a mesma quantidade de cálcio, têm menor teor proteico e maior conteúdo de açúcar em comparação ao leite". Neste sentido, Rui Rosa Dias lembra que "todo este panorama de packaging vai ser obrigatório e brevemente alterado" para que as pessoas questionem "cada vez mais os modos de produção, os modos e processos de transformação e a equidade de valor gerado".
A solução passará então por ter especial cuidado à leitura dos rótulos (há imensas bebidas vegetais sem adição de qualquer tipo de açúcar. As bebidas de millet ou quinoa são excelentes) e enriquecer a alimentação com vegetais de folha escura, peixes como a sardinha, o feijão, sementes de sésamo e a gema de ovo, também eles ricos em cálcio.

Os meus filhos gostam de leite e essa é a razão maior para eu não excluir este alimento da vida deles. Aliás, eu não gosto de excluir por princípio. Acredito também que, na sua origem, o leite é um alimento nutricionalmente muito interessante, ainda que os processos de produção e comunicação sejam hoje duvidosos. Sigo os conselhos de Rui Rosa Dias e opto por leite biológico, preferencialmente do dia [o que é muito difícil de encontrar no Porto], num consumo nunca superior a dois lácteos por dia.

É uma opção mais cara e mais trabalhosa (já que a validade deste leite é muito inferior) mas que, acredito, fará diferença na saúde futura dos meus filhos e na do planeta também.
E o que importa mais que isso?









Comentários

  1. Olá Mariana!
    Onde compra o leite bio do dia aqui no Porto?
    Obrg

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Joana. Se pedir, por encomenda, consegue na Celeiro. Mas é muito difícil.
      Soube também que o Continente vai ter novos produtos biológicos, nomeadamente leite bio do dia. Mas, para já, infelizmente, só por encomenda

      Eliminar
  2. O lidl tem leite bio (nao e do dia)assim como iogurtes. costumo usar este.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário